amo-israelAchaste mel? Come o que te basta;

para que, porventura, não te fartes dele e o venhas a vomitar.

Provérbios 25.17

O tema Israel, apesar de tudo, ainda é tema controverso no meio cristão. Os embates teológicos em torno do assunto, desde a posse da terra até seu papel no plano divino continuam presentes. O ambiente evangélico ainda permanece dividido. Isso não nos deve assustar.

O preço de nossa liberdade (de pensamento) é a falta de unanimidade. A solução seria uma imposição vinda de cima por alguém ou por um grupo que determinasse nossa fé e nossas práticas e isso nós não queremos, pois conhecemos as consequências. Teremos de aprender a respeitar em meio às discordâncias e a defender com sabedoria e graça nossas posições. Cada um esteja seguro no seu próprio entendimento. (Romanos 14.5).

Há algo novo, entretanto. Durante centenas de anos (sim, centenas!), os judeus foram unanimemente rejeitados, na teologia e na prática. Palavras e atos cruéis foram lançados contra eles. E isso tudo em nome de Cristo! Todavia, a liberdade de interpretar as Escrituras levou muitos a rever seus conceitos e o resultado foi o surgimento de uma corrente que entende o papel do Israel étnico de maneira diferente e procura expressar seu amor e apoio ao povo judeu de modo prático. Hoje, milhões de cristãos valorizam, oram, defendem e se colocam à favor dos judeus. Quem conhece história sabe que isso é novo na história do Ocidente.

Os grupos pró-Israel cantam hinos hebraicos, escrevem livros sobre o assunto, publicam artigos, fazem conferências, visitam Jerusalém, usam camisetas e bótons característicos, colocam a bandeira de Israel em suas igrejas. Alguns vão mais longe. Usam símbolos do judaísmo como o mezuzah, o kipah e talith e outros. Tocam o shofar. Ainda há àqueles que se orgulham de sua ascendência judaica ou mesmo assumem sua judaidade integralmente. Lamentavelmente alguns, no extremo do movimento, fazem submergir os valores cristãos em um judaísmo distorcido e não bíblico.

Tudo isso faz parte do processo. Dizem que no ano em que Colombo descobriu a América (1492), os reis espanhóis descobriram os judeus. E utilizando a Inquisição confiscaram seus bens, utilizando sua riqueza na guerra contra os mouros. Nós cristãos também temos descoberto os judeus e nessa descoberta temos procurado corrigir quase dois milênios de injustiças, maus tratos e mesmo distorções e negações teológicas. Temos querido dar a eles um lugar de honra que lhes é devido (Romanos 15.27). Afinal, nosso Deus é o Deus de Israel, nossas Escrituras foram-lhe primeiramente confiadas (Romanos 3.1, 2) e nosso Messias é na verdade o Messias judaico (Romanos 9.5) para citar apenas algumas das preciosidades que herdamos deles.

Nessa ânsia, não é surpresa que exageros e extremismos surjam. Quem nunca comeu melado quando come se lambuza já dizia o ditado. O pensamento humano é um pêndulo que vai de um extremo a outro com muita facilidade. Diversos movimentos dentro do cristianismo tiveram suas alas

extremistas que muitas vezes puseram em perigo todo o movimento. Judaizantes e israelizantes surgiram como uma expressão extremada do apoio a Israel e não há nada de novo nesse comportamento e tendência.

O cristianismo histórico nunca amou aos judeus. Muito antes de Cristóstomo cunhar o termo “deícidas” eles já eram odiados. E depois disso o ódio e agressão a eles recebeu justificação teológica. Agora que a Igreja começa a amá-los e entender seu lugar no Plano, não devemos permitir que a atitude de alguns que se perderam no processo nos leve a rejeitar essa conquista.

Como vamos expressar nosso amor e interesse por eles vai variar de pessoa para pessoa, de grupo para grupo, de tempo para tempo. Uns darão mais destaque outros menos, mas ainda assim estarão entendendo que não podem ficar passivos diante da verdade de que Deus ama Israel e por isso nós também devemos amá-los.

Enganosamente fomos ensinados que sua rejeição ao Evangelho resultou em sua definitiva rejeição por Deus e que aquele amor divino direcionado a eles, registrado nas páginas dos livros do Antigo Testamento já não existia mais. E de repente, as palavras da epístola aos romanos resplandeceram, nossos olhos foram abertos e como Lutero descobriu Romanos 1.16, nós descobrimos Romanos 11.28, 29:

Assim que, quanto ao evangelho, são inimigos por causa de vós; mas, quanto à eleição, amados por causa dos pais. Porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis.

Usando uma paráfrase desse versículo que tenta expressar tal ideia, lemos na Bíblia Viva:

Muitos judeus agora são inimigos do Evangelho. Eles o odeiam. Isso, porém, tem sido um beneficio para vocês, pois teve como conseqüência Deus dar os seus dons a vocês, os gentios. Entretanto, os judeus ainda são amados por Deus, por causa de suas promessas a Abraão, Isaque e Jacó.

Pois os dons de Deus e o seu chamado nunca podem ser revogados. Ele nunca voltará atrás em suas promessas.

A Igreja não deve perder seu amor por Israel mesmo que esse amor leve muitos a excessos. Temos apenas de cuidar em amá-los com sabedoria e equilíbrio.

Por Eguinaldo Hélio de Souza

 

#Compartilhar

Comentários   

 
0 #1 segredodasaude.com 13-04-2017 11:10
Cumprimentos . Uma abundância de conselhos !
Citar
 

Adicionar comentário

Se o seu comentário for considerado de forma ofensiva ou fora da política do website ele irá ser excluído.


Código de segurança
Atualizar