israelbandeira“Assim Shlomoh acabou a casa de ADONAI e o palácio reali, e tudo quanto Shlomoh intentou fazer na casa de ADONAI e em seu palácio prosperamente o efetuou. E ADONAI apareceu de noite a Shlomoh, e disse-lhe: Ouvi a tua oração, e escolhi para Mim este lugar para casa de sacrifício. Se EU fechar os céus, e não houver chuva; ou se ordenar aos gafanhotos que consumam a terra; ou se enviar a peste entre o Meu povo; e se o Meu povo, que se chama pelo Meu Nome, se humilhar, e orar, e buscar a Minha face e se converter dos seus maus caminhos, então EU ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. Agora estarão abertos os Meus olhos e atentos os Meus ouvidos à oração deste lugar. Porque agora escolhi e santifiquei esta casa, para que o Meu nome esteja nela perpetuamente; e nela estarão fixos os Meus olhos e o Meu coração todos os dias” Divrei-Hayamim Bet (2 Crônicas 7. 11-16).

O verão em Israel está em seus últimos dias e as festas outonais do mês de Tishrei (7º mês no calendário judaico) se aproximam. Iom Teruah (festa das Trombetas) ou mais conhecido como Rosh HaShanah (cabeça do ano ou ano novo civil judaico), seguido, dez dias depois, de Iom Kipur (o Dia da Expiação) e 4 dias depois por Sucot (sete dias de celebração).


A preparação para tais feriados se inicia no 6º mês de Elul (um acróstico das palavras hebraicas ‘aniy l’Dodi v’Dodi li’ de Shir HaShirim 6. 3 – ‘pertenço ao meu Amado e o meu Amado pertence a mim’), com Selichot (perdão, clemência; absolvição). Ao amanhecer de cada dia dos 40 dias que precedem Iom Kipur, os homens vão às sinagogas e fazem orações especiais de arrependimento, confissão e clamor a ELOHIM por perdão, intensificando o clamor nos últimos dez dias.

Já tive o privilégio de estar em Israel durante esses período, e foi algo incrível, marcante, porque as pessoas se concentram em ‘ponderar suas vidas’, e orar e clamar intensamente pelo perdão divino (uma vez que crêem que, obtendo o perdão, que é válido pelo período de ‘Iom Kipur a Iom Kipur’, seus nomes estarão escritos por mais um ano no ‘livro da vida’).

Estive no kótel um dia antes de Iom kipur em 2006 e era difícil chegar ao muro, tal a concentração de pessoas naquele lugar e por todas as ruas de Jerusalém nas proximidades, e de madrugada!!! Naquele momento, Ruach HaKódesh trouxe-me à memória os versículos de Divrei-Hayamim Bet (2 Crônicas) 7. 11-16 – “Assim Shlomoh acabou a casa de ADONAI e o palácio reali, e tudo quanto Shlomoh intentou fazer na casa de ADONAI e em seu palácio prosperamente o efetuou. E ADONAI apareceu de noite a Shlomoh, e disse-lhe: Ouvi a tua oração, e escolhi para Mim este lugar para casa de sacrifício. Se EU fechar os céus, e não houver chuva; ou se ordenar aos gafanhotos que consumam a terra; ou se enviar a peste entre o Meu povo; e se o Meu povo, que se chama pelo Meu Nome, se humilhar, e orar, e buscar a Minha face e se converter dos seus maus caminhos, então EU ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. Agora estarão abertos os Meus olhos e atentos os Meus ouvidos à oração deste lugar. Porque agora escolhi e santifiquei esta casa, para que o Meu nome esteja nela perpetuamente; e nela estarão fixos os Meus olhos e o Meu coração todos os dias”. E foi exatamente o que vi naquela madrugada: um povo clamando orações de arrependimento, perdão... Não se vê isso em qualquer outra nação...

Obviamente, não há perdão sem a obra do Calvário, sem a vitória do Cordeiro e MASHIACH YEHOSHUA, que está assentado à destra de YHVH PAI, aguardando que todos os Seus inimigos sejam postos por escabelo de Seus pés! HalleluYAH!

 

Mas, esse zelo deveria nos tocar, nos provocar ciúmes e intenso zelo, “porque lhes dou testemunho de que têm zelo de ELOHIM, mas não com entendimento. Porquanto, não conhecendo a justiça de ELOHIM, e procurando estabelecer a sua própria justiça, não se sujeitaram à justiça de ELOHIM; porque o fim da lei é o MASHIACH para justiça de todo aquele que crê” (Romanos 10. 2-4).

Portanto, nesse período de 40 dias (que tem início em 30 de agosto), clamemos para que o SENHOR toque e abra o entendimento do coração do povo de Israel  para o MESSIAS YEHOSHUA e Seus ensinos. Que o Espírito de graça e súplicas venha sobre eles, para que reconheçam Aquele a Quem traspassaram (Zacarias 12. 10). Que venha o Espírito dos quatro ventos a soprar sobre os mortos de Israel, para que vivam e se levantem em exército grande em extremo, para a glória de YHVH (Ezequiel 37. 9,10). Que o Consolador que convence do pecado, da justiça e do juízo venha sobre cada um do povo escolhido de Israel, para que creiam no MESSIAS YEHOSHUA, para que O vejam, como Estêvão viu, assentado à destra de DEUS PAI, vitorioso e glorioso, e para que entendam que está julgado o príncipe deste mundo, e ninguém mais lhes pode fazer dano algum (João 16. 7-11).

Que seja um período em que os rios de salvação fluam e fluam abundantemente em todo Eretz Israel, para a glória do Seu Santo Nome, porque o SENHOR disse que os congregaria de volta à terra de seus antepassados, e trocaria seus corações de pedra por carne, e escreveria na tábua de seus corações a Sua Palavra, a Sua vida, e os ensinaria nos caminhos em que deveriam andar, e seria o seu DEUS e eles se tornariam o Seu povo, para que o Seu Nome fosse conhecido, glorificado, requisitado, santificado entre os povos da Terra (Ezequiel 36 e 11; Jeremias 31 e 32). Multidões e multidões de judeus tenham, de fato, seus nomes inscritos no Livro da Vida, porque passaram a compreender, pelo Espírito de YHVH, Quem é a Vida Eterna, O mesmo que é O Caminho e A Verdade (João 17. 3; 14. 6).

Clamemos também por cada um de nós, e por cada um dos discípulos de YEHOSHUA, para que tenhamos zelo pelas coisas de nosso PAI e executemos Seus comandos com zelo e determinação, em profundo e sincero arrependimento, quebrantamento e confissão para que sejam ouvidas nossas orações pelo Poderoso de Israel, o DEUS de Avraham, Itschaq, Yaacov, O seu e O meu DEUS!


“Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, seja santificado ainda” (Revelação de YEHOSHUA HaMASHIACH 22. 11)

“Portanto assim diz o SENHOR: Se tu voltares, então te trarei, e estarás diante de Mim; e se apartares o precioso do vil, serás como a Minha boca; tornem-se eles para ti, mas não voltes tu para eles. E EU te porei contra este povo como forte muro de bronze; e pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti; porque EU sou contigo para te guardar, para te livrar deles, diz o SENHOR. E arrebatar-te-ei da mão dos malignos, e livrar-te-ei da mão dos fortes” (Jeremias 15. 19-21)

“E a Meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano, e o farão discernir entre o impuro e o puro” (Ezequiel  44. 23).

Em 20 de setembro, os árabes que vivem em Israel planejam apresentar licitação à Assembléia Geral das Nações Unidas o endosso para aprovação de um estado árabe em terras dadas por YAH a Israel, inclusive Jerusalém. No dia seguinte, a conferência de direitos humanos Durban III se inicia, também em Nova Iorque, conferência essa marcada pelo ódio a Israel e anti-semitismo feroz (até agora Israel, Canadá, Itália, República Tcheca, Holanda, Austrália e EUA declararam seu boicote à infame e mentirosa conferência).

Além desses dois eventos contrários a Israel, manifestações violentas pelos árabes são aguardadas para esse período, independente do resultado da votação, porque fortes expectativas foram despertadas no povo árabe que vive em Israel e fora dela, vítima da opressão de seus governantes, do despotismo, das mentiras que lhes têm sido ensinadas por anos, como preparação para uma revolução islâmica massiva.


Essas manifestações já tiveram início, com os militantes terroristas agredindo civis em Israel, por meio de um ataque triplo na região do Négev, há mais de uma semana, que culminou com a morte de oito pessoas, seguido de ataques diários de mísseis kassam, desde então (15 a 20 mísseis por dia, contra Beer Sheva, Ashdod, Sderot e outras cidades), que mataram outras duas pessoas (incluindo um homem, pai de duas crianças e cuja esposa é gestante de nove meses) e feriram outras tantas, entre elas um bebê de nove meses! Sem contar o trauma emocional gerado em multidões de civis!!!

Como declarou Netanyahu, diante de tão vil ataque: ‘Estamos falando de um sério incidente no qual civis israelenses foram feridos (e mortos) e a soberania do país foi maculada’ e, de acordo com sua política, todo ataque terá contra-ataque imediato, e assim tem acontecido. Quando li essa declaração, meu coração ‘ficou apertado’, tocado pela gravidade da situação.

A anistia internacional para os direitos humanos só teve olhos para a ‘reação exagerada’ de Israel, condenando os ataques em Gaza. Sequer relacionou tais medidas defensivas com os ataques brutais que Israel sofreu em 18 de agosto (há duas semanas). Quanta injustiça e cegueira por parte dos homens, que não conseguem mais discernir entre o verdadeiro e o mentiroso, entre o justo e o injusto, entre o vil e o precioso, entre o santo e o profano, porque estão longe de DEUS!

O objetivo dos árabes é desestabilizar Israel para que desfira um ataque massivo, o que criará novos mártires e mais condenações pela comunidade internacional (como foi no falso e mentiroso relatório Goldstone, acusando Israel de crimes de guerra, durante a operação contra Gaza em 2008-2009), exatamente no período que antecede a votação unilateral para o reconhecimento de mais um estado árabe, só que dentro das terras de Israel. Certamente, a liderança em Israel está agindo com cautela, para não criar um incidente internacional e dar motivos à comunidade internacional de virar-se contra ela! E, para isso, a bateria anti-mísseis Iron Dome, criada por Israel mesmo, tem funcionado muito bem (mas não é infalível)!

Israel nunca conseguirá paz com seus vizinhos, não importa quanto forcem as nações, não importa quanto território seja doado... porque o único objetivo do inimigo está expresso, escrito, profetizado, declarado no Salmo 83, e essa é uma realidade incontestável, assim como o livramento programado por YHVH a Seu povo escolhido, a ‘menina de Seu olho’ (Zacarias 2. 8). Neste Salmo, a confederação árabe (muçulmana) está toda relacionada, “astutamente conspirando contra o povo de YHVH, tramando contra aqueles que são o Seu tesouro. Eles dizem: ‘Venham, desarraiguemo-los para que não sejam nação, nem haja mais memória do nome de Israel’. Com um só propósito, eles tramam esquemas; a aliança que fizeram é contra YHVH – as tendas de Edom (Arábia Saudita) e os ishma’elim (ismaelitas – norte da Arábia), Mo’av (Moabe, filho de Lot – Jordânia central) e os hagrim (agarenos – egípcios), G’val (Gebal – norte do Líbano), Amon (filho de Lot – norte da Jordânia) e Amalek (amalequitas – Jordânia??), P’leshet (Filístia – costa ocidental de Israel, desde Gaza) e aqueles que moram em Tzor (Tiro – sul do Líbano); também aliada com eles está Ashur (Assíria – Iraque e Irã??)” (Salmo 83. 3-8).

Recentemente, aquele que nos últimos anos tem feito declarações bombásticas, como ‘o holocausto nunca existiu e é fruto da armação dos infiéis ocidentais e dos sionistas’ e que ‘Israel deve ser varrida do mapa’ (certamente não é coincidência, mas a boca de satanás falando, porque ele conhece a Palavra de YHVH), mahmoud ahmadinejad, disse, na última 6ª feira, que ‘a criação de um estado árabe será o primeiro passo para a destruição de Israel’. Repetiu sua declaração de que ‘Israel é um tumor a ser extirpado do mapa’ e conclamou os árabes que vivem em Israel a não se contentarem com a solução de dois estado, mas aspirarem (se esforçarem a) o completo retorno do que consideram ser sua terra’, em outras palavras, a todo Israel. ‘Reconhecer o estado árabe não é o objetivo final. É só mais um passo rumo à libertação total da ‘palestina’, disse o filho de belial. ‘Encorajo os árabes que vivem em Israel a nunca se esquecerem deste ideal. Esquecer-se disso é equivalente a cometer suicídio. Isso seria como dar uma oportunidade ao inimigo que está à beira do colapso e desaparecimento’. Essas afirmações ecoam o braço armado do Irã em Gaza, o hamas, que tem declarado que um acordo de paz com Israel serviria como ‘prelúdio à guerra’.

ABSURDO DOS ABSURDOS:

Não por coincidência, mas pela deterioração e corrupção de um organismo que deveria agir em justiça, estimular a preservação da vida e não sua destruição, de uma instituição pervertida e totalmente satânica, onde o profano é declarado como santo, e o vil como precioso, e me refiro à ONU; esta degenerada instituição elegeu Qatar (nação islâmica e inimiga de Israel) para presidir a reunião da Assembléia das Nações Unidas neste mês de setembro; e, como se a incongruência não bastasse, Irã (o maior patrocinador do terrorismo mundial e proliferador nuclear), será um dos vice-presidentes, enquanto que a Coréia do Norte foi designada como chefe da Conferência da degenerada instituição sobre Desarmamento

 

(a mesma Coréia que realizou dois testes nucleares ilícitos; que atacou e afundou um navio sul-coreano, ano passado; que construiu um reator nuclear proibido na Síria; que tem colaborado com o programa nuclear e militar do Irã; que desprezou qualquer acordo e filiação com a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) e ameaça de um ataque nuclear a qualquer nação que se intrometa em suas atividades nucleares).

O que podemos esperar das suas resoluções (a maioria esmagadora, ‘coincidentemente’, contrárias a Israel) em setembro?

Diante de tantos absurdos e mentiras aviltantes, um terremoto de 5.6 na escala Richter atingiu a capital norte-americana na semana passada, causando rachaduras no obelisco, que é o ponto mais alto da capital (169,7m) e um monumento dedicado ao ‘pai da pátria, o presidente George Washington. Creio que YAHVEH está falando! Não se ausenta de Seu trono e está assentado, descansando, porque ELE já venceu! Não são os homens que ditarão tempos e estações, mas ELE tem o controle absoluto de tudo! Um outro terremoto, ainda de escala não conhecida, está atingindo a economia norte-americana (trilhões em débito), com um tsunami à vista propagando-se a todas as nações!

40 dias de jejum e oração por Israel – de 30 de agosto a 10 de outubro

“O temor do SENHOR é limpo, e permanece eternamente; os juízos do SENHOR são verdadeiros e justos juntamente. Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos. Também por eles é admoestado o Teu servo; e em os guardar há grande recompensa. Quem pode entender os seus erros? Expurga-me TU dos que me são ocultos. Também da soberba guarda o Teu servo, para que se não assenhoreie de mim. Então serei sincero, e ficarei limpo de grande transgressão. Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a Tua face, SENHOR, Rocha minha e Redentor meu!” (Salmo 19. 9-14).

O mês de Elul terá início na noite de 30 de agosto. Até Iom Kipur (10 de outubro) são marcados 40 dias. Como escrevi acima, esse é um mês de arrependimento, de contrição (Salmos 32 e 51), de preparo para as festas outonais do SENHOR. O shofar é tocado a cada manhã em todas as sinagogas, a fim de alertar o povo para a vinda do Dia do Julgamento e dos ‘Dias de Temor’.


De acordo com a tradição judaica, Moshe começou o seu 2º turno de 40 dias de jejum no 1º dia de Elul, clamando a YAH para perdoar Israel pelo pecado da idolatria com o bezerro de ouro e a renovação da aliança. Seu jejum terminou em Iom Kipur, o Dia da Expiação:

“Moisés, porém, suplicou a YHVH ELOHAIV e disse: Ó YHVH, por que se acende o Teu furor contra o Teu povo, que tiraste de Mitzraim (terra do Egito) com grande força e com forte mão? Por que hão de falar os egípcios, dizendo: Para mal os tirou, para matá-los nos montes, e para destruí-los da face da Terra? Torna-Te do furor da Tua ira, e arrepende-Te deste mal contra o Teu povo. Lembra-Te de Avraham, de Itschaq e de Israel, os Teus servos, aos quais por Ti mesmo tens jurado, e lhes disseste: Multiplicarei a vossa descendência como as estrelas dos céus, e darei à vossa descendência toda esta terra, de que tenho falado, para que a possuam por herança eternamente... Assim tornou-se Moshe a YHVH, e disse: Ora, este povo cometeu grande pecado fazendo para si deuses de ouro. Agora, pois, perdoa o seu pecado, se não, risca-me, peço-Te, do Teu livro, que tens escrito” (Êxodo 32. 11-13,31,32).

Desde então, o período de 40 dias que antecedem Iom Kipur tornou-se tradicionalmente um tempo de arrependimento, jujum e oração entre o povo judeu, exatamente como nosso Rabi YEHOSHUA entrou em jejum e oração no deserto, durante 0s 40 dias desse período (Mateus 4. 1,2; Marcos 1. 12,13; Lucas 4. 1,2).

Quarenta, na Bíblia, expressa provação, julgamento e juízo ou severa punição (não como no número 9 que está conectado à punição dos inimigos) aos filhos e àqueles que estão aliançados com YHVH. Como o 40 é produto dos números 5 (graça) e 8 (novo começo, ressurreição), este número aponta para provação com o propósito de ‘ampliação da extensão de governo, de domínio’ (conquista da terra prometida), de ‘renovação de autoridade’ (40anos para mudar a velha geração com Moshe e estabelecer a nova geração com Josué). Está associado com cada novo desenvolvimento na história dos atos poderosos de DEUS, especialmente a salvação; um período ligado à purificação  ou ao tempo de graça, tanto para a bondade como para a punição. Indica um tempo necessário de preparação para algo novo da parte do SENHOR que vai chegar. Alguns desses 40:

  • 40 dias e 40 noites do dilúvio (Gênesis 7. 4,12);
  • Por 40 dias, os líderes da nação (12 príncipes das tribos de Israel) foram enviados por Moshe (por YHVH) para pisar a terra prometida, como fez o pai Avraham anos antes (Gênesis 13. 14-18), para espiá-la, para admirar as belezas da promessa de YHVH, para conquistá-la e possuí-la posicionalmente (Números 13. 3), em confirmação à promessa de YHVH ao povo, porque um princípio precisava ser cumprido: ‘onde pisar a planta do vosso pé, EU vô-la darei”- D’varim (Deuteronômio) 11. 24; Y’hoshua (Josué)  1. 3;
  • O fato de não terem obedecido ao SENHOR, porque não entenderam o princípio que o SENHOR instituíra em Avraham, uma vez que, ao pisarem na terra já a estavam conquistando posicionalmente (dali para a frente, só bastava que nela entrassem e a conquistassem experimentalmente), os levou a mais 38 anos de julgamento no deserto das nações (Número 14. 33; 32. 13; Deuteronômio 8. 2; 29. 4). Depois dos 40 anos, só dois espias foram enviados por Moshe, para testemunhar que os moradores da terra estavam temerosos, porque conheciam o que ELOHEI Israel fizera por Seu povo, livrando-o das mãos de faraó e abrindo as águas do mar (Y’hoshua (Josué) 2);
  • Quarenta foram os anos que Moshe gastou na presença de faraó, aprendendo a governar, e também a fazer as coisas de seu jeito para DEUS, por causa do orgulho. Mais 40 anos despendeu ele aprendendo a viver no deserto com Jetro, descobrindo que nada era sem DEUS e morrendo para seu eu. Nos seus últimos 40 anos de vida, passou-os diante da terra prometida, liderando o povo e ensinando-o a viver no deserto, descobrindo como DEUS podia usá-lo de modo poderoso e vivendo para ELE, em serviço sincero e fiel à casa de DEUS (B’midbar (Números) 12. 7);
  • YHVH teve que manter o povo dando voltas no deserto (Deuteronômio 2. 1-3), para que a velha geração (velho homem), controlada pela carne, desaparecesse e desse lugar à nova geração e fosse ela fortalecida, caminhando na dependência do SENHOR, rumo à conquista da terra prometida (Deuteronômio 2. 4,8). Depois de chegarem às correntes das águas da vida no Neguev (Salmo 126. 3,4), de serem aprovados, ali em Eilat, no estratégico ponto da virada, o SENHOR deu ordem para que caminhassem em direção objetiva, sem dar mais voltas no deserto. Eilat significa palmeira – e são as palmeiras árvores grandes com raiz muito profunda, que até se inclinam diante dos ventos, mas não são arrancadas por eles, e que produzem frutos em abundância, na terra que mana leite e mel;
  • Por duas vezes de 40 dias e 40 noites, passou Moshe no monte (Êxodo 24. 18; 34. 26; Deuteronômio 9. 9-11; 10. 10), clamando o perdão de YAH pelo povo e recebendo a Constituição do Reino de YHVH;
  • JESUS permaneceu 40 dias em jejum e oração no deserto, antes de iniciar Seu ministério terrenal e estabelecer o Reino de ELOHIM na Terra. Por 40 dias, após a ressurreição, esteve diante de Seus discípulos, ampliando Seu domínio e governo no coração de muitos (Atos 1. 3).

Esse é um excelente período para que nós, como Corpo do MASHIACH, jejuemos e oremos por Israel, especialmente neste ano em que várias são as ameaças sobre ela. Se cada um de nós (e somos muitos) tomarmos um dia de jejum e oração, certamente os 40 dias serão cobertos – o Espírito é Único e nos guiará no dia a dedicarmos por essa causa.

A mídia árabe apresentou, em 10 de agosto último, um documentário que expõe os planos de construir apartamentos no local mais sagrado para os judeus, no kótel, ‘quando’ conquistarem o controle sobre Jerusalém, como parte de um projeto maior de apagar a presença judaica e as marcas da presença judaica em Jerusalém. ‘Os israelenses sabem por certo de que nossas raízes são mais profundas do que sua falsa história’, declarava o documentário. ‘Nós, da sacada de nossas casas, olhamos o local sagrado para o islamismo em pecado e em imundície, sujeira, obscenidade, vulgaridade, putrefação, corrupção (por causa dos judeus orando no kótel), numa área que deve ter casas para o povo árabe. Estamos redesenhando nossos novos mapas. Quando os israelenses desaparecerem do mapa, como um capítulo esquecido nas páginas da história de nossa cidade, a edificaremos novamente. O bairro Mughrabi será edificado aqui (na praça do kótel)’ (http://www.youtube.com/watch?v=Qkt_L7QHxiY).

‘Em pesquisa publicada no mês passado, 84% dos árabes que vivem em Israel concordam que ‘a seu tempo, os árabes devem trabalhar para tomar toda a terra (de Israel) para o estado árabe’. Somente 7% reconhecem que Israel tem o direito de viver na terra de Israel, como seu lar nacional. Quanto a Jerusalém, somente 3% dos árabes estão prontos a dividir a cidade, enquanto 92% exigem exclusividade como capital do estado árabe’. ‘O diretor das relações exteriores do fatah, Nabil Sha’ath disse, há duas semanas, que ‘a história de dois estados para dois povos significa que haverá um povo judeu lá e um árabe aqui. Nós nunca aceitaremos isso’.

Essa agenda é o que 122 nações estão apoiando em setembro, na assembléia geral das nações unidas. Interessante é que essa onda de ataques teve início em Eilat, na cidade estratégica do ponto de virada, também mostrando que o próprio Egito está mudado, porque os terroristas de Gaza se infiltraram pela fronteira egípcia com Israel.


O mesmo Egito da irmandade muçulmana, que tem ameaçado o embaixador de Israel no Cairo, exigindo seu regresso a Israel ou sua morte em solo egípcio! Ao mesmo tempo, está exigindo o regresso do embaixador egípcio desde Tel Aviv e que o acordo de paz seja cancelado.

O ataque tríplice a Israel de 18.08 deu-se pela fronteira egípcia (terroristas de Gaza infiltrados, há um mês, na região, para treinar e equipar os homens ao ataque. Três dos terroristas eram egípcios) e mísseis têm sido lançados daquela região. Desde a revolta egípcia em fevereiro e a deposição de Mubarak, o Sinai ficou sem qualquer patrulhamento, possibilitando aos beduínos (revoltosos com a falta de assistência do governo centralizado no Cairo por tantos anos) tomarem controle da área, nativos estes conectados ao hamas de Gaza. Entretanto, não estão sós, porque naquela região, há muito existem acampamentos do al-qaida, que armazenam materiais bélicos para fornecer ao hamas (contrabandeados pelos túneis feitos entre Gaza e Egito – os quais estavam sendo evitados pela construção do muro metálico com mais de 25 metros de profundidade pelo governo de Mubarak (não foi concluído), desde ano passado), e treinam terroristas.

Nos confrontos de Israel com os terroristas, que escaparam pela fronteira egípcia, cinco soldados egípcios foram mortos. O Egito exigiu o imediato ressarcimento às famílias das vítimas e o pedido de desculpas (essa tática virou a ‘casa de Maria Joana’... todo mundo acha que tem o direito de ser ressarcido pelas mortes causadas por Israel... Como a Turquia, que foi atacar Israel com aquela flotilha infame e quer pedido formal de desculpas bem como pagamento às famílias das vítimas...

ISRAEL TEM QUE PEDIR DESCULPAS, CONSTANTEMENTE, POR EXISTIR, POR DEFENDER-SE... ONDE ESTAMOS? QUE MUNDO É ESTE? QUANTA INJUSTIÇA! QUANTA CEGUEIRA!!!).


Como disse Golda Meir, em comentário sobre a Guerra de Independência, em 1948-49, quando cinco países vizinhos invadiram e atacaram Israel (Egito, Jordânia, Líbano, Síria e Iraque) no dia seguinte à sua declaração de independência, se os judeus tivessem sido destruídos em 1948, seriam recordados pelo mundo inteiro com louvores, estimados por sua ação mártir. Entretanto, como decidiram defender-se e lutar por sua liberdade e por sua nação, foram condenados e têm sido até hoje. Mas, entre louvores e condenação, ela preferia as palavras de condenação aos louvores!!!

O que está acontecendo no Egito?

Desde o acordo de Camp David, na década de 70, quando Israel entregou o Sinai ao Egito (comprando a paz), por contrato mútuo, a região deveria permanecer desmilitarizada, somente tendo forças de observação e patrulhamento. Com a queda de Mubarak, tal patrulhamento deixou de existir. Egito abriu sua fronteira Rafiah com Gaza.

Aparentemente, em comum acordo com o governo de Israel, permitiu-se que o Egito enviasse forças militares (1000 policiais) à região, a fim de manter a ordem e lidar com os terroristas. Um jornal egípcio declarou que ambos os países estão planejando reconfigurar o acordo de Camp David, para permitir o aumento de pessoal militar no Sinai. Como disse Ehud Barak, ministro da Defesa israelense, ‘é preciso submeter considerações estratégicas às necessidades táticas’.

A mídia israelense afirma que Netanyahu e Barak teriam autorizado o envio de milhares de soldados das tropas egípcias ao Sinai, com helicópteros e veículos armados (sem tanques), por se tratar de interesse comum. Se isso for verdade, é uma decisão arriscadíssima, porque o acordo de paz entre essas duas nações não é estável, inda mais num governo transitório, que prepara eleições para o mês de setembro e cuja coalisão mais forte é formada por terroristas da irmandade muçulmana, os mesmos que têm incitado a turba contra o embaixador israelense, que têm exigido o fim do acordo de Camp David (desde fevereiro deste ano) e estão usando a morte dos soldados egípcios como desculpa para o cancelamento de tal acordo.


Além disso, um caloroso debate entre os parlamentares egípcios tomou conta da casa na semana passada, exigindo que Israel entregue a cidade portuária de Eilat ao Egito, uma demanda que havia caído depois do acordo de Camp David, em 1979. Isso se deve ao fato de ter sido um território perdido com a derrota do exército egípcio durante a guerra de independência. O controle das rotas comerciais é uma constante fonte de conflitos entre as nações e povos. Não foi diferente no conflito de 1967, com a guerra precedida pelo fechamento do Estreito de Tiran, por parte do Egito poucos dias antes. Já o representante do ministério do exterior egípcio declarou que Eilat pertence aos árabes que vivem em Israel! O que têm os árabes que vivem em Israel com esse pedaço de terra desértico, abandonado por todos, mas desejado por um povo, o judeu, pela visão de David Ben Gurion?

Um outro parlamentar da oposição apresentou um documento, datado de 1906, em nome do sultão otomano, declarando que Eilat (em seu nome árabe) pertence ao Egito, porque é ponto de parada e descanso dos peregrinos que rumavam a Mecca e Medina, na Arábia Saudita.

Entretanto, não comenta o fato de que Egito e Israel definiram suas fronteiras em 1979, durante o acordo de Camp David, onde Israel, desafortunadamente, entregou a península do Sinai ao Egito (apesar de ter vencido a guerra e de ter conquistado aquele território, numa guerra que não provocou, mas que se defendeu). Muito menos explica a relevância de um documento datado de 1906, frente a outro datado de 1979!!! Sequer, durante o caloroso debate, a soberania de Israel sobre Eilat foi considerada... Não se poderia esperar coisa diferente, uma vez que nos vôos egípcios, os mapas que são mostrados aos passageiros não contêm o Estado de Israel, mesmo aqueles que voam para Israel!!!


O fato de Israel ter entregue o Sinai (e, anos mais tarde, o sul do Líbano para os libaneses, ou melhor, aos terroristas do hisb’allah e Gaza aos terroristas do hamas), abriu precedentes para a entrega de ‘territórios conquistados em guerras desferidas contra Israel, cujo papel foi DEFENDER-SE dos atacantes. Cada um encontra-se no direito de reivindicar o que quiser...

Os parlamentares ameaçam levar esse assunto à liga árabe. A despeito do tratado de paz que corre sérios riscos, a declaração da liga árabe de 1948 de guerra até o aniquilamento de Israel continua válida! A revolução egípcia acordou o espírito anti-semita no país. A busca para a remilitarização do Sinai (mesmo que com a aprovação de Israel), a proposta de levar desenvolvimento ao Sinai, essas solicitações descabidas e absolitamente ilegais e infundadas, as ameaças ao embaixador israelense no Cairo mostram quão frágil, instável é o acordo de paz entre as duas nações, cuja documentação deve ter sido jogada no lixo, após a saída de Muhbarak.

Que Israel se posicione para defender a herança que lhe foi dada, ou concedida para melhor uso, por um tempo, por YHVH mesmo, porque ELE continua o verdadeiro e Único Dono daquele território – “Também a terra não se venderá em perpetuidade, porque a terra é Minha; pois vós sois estrangeiros e peregrinos comigo.

Portanto em toda a terra da vossa possessão dareis resgate à terra” (Levítico 25. 23,24). Que Israel resgate o que tem perdido por entregar territórios que não lhe pertencem, porquanto estão sendo consagrados a deuses estranhos (e allah NÃO É DEUS, mas satanás travestido em deus islâmico) e contaminando a herdade do SENHOR. Que Israel não se permita mais servir de capacho às nações muçulmanas e nações vizinhas, como bode expiatório para tudo, pois o SENHOR declarou em Sua Palavra, para esse período dos últimos dias:


“Assim diz o SENHOR DEUS: Pois que disse o inimigo contra vós: Ah! ah! até as alturas eternas serão nossa herança. Portanto, profetiza, e dize: Assim diz o SENHOR DEUS: Porquanto vos assolaram e devoraram de todos os lados, para que ficásseis feitos herança do restante dos gentios, e tendes andado em lábios paroleiros, e em infâmia do povo, portanto, ouvi, ó montes de Israel, a palavra do SENHOR DEUS: Assim diz o SENHOR DEUS aos montes e aos outeiros, aos rios e aos vales, aos lugares assolados e solitários, e às cidades desamparadas que se tornaram em rapina e em escárnio para o restante dos gentios que lhes estão em redor; portanto, assim diz o SENHOR DEUS: Certamente no fogo do meu zelo falei contra o restante dos gentios, e contra todo o Edom, que se apropriaram da Minha terra, com toda a alegria de seu coração, e com menosprezo da alma, para a lançarem fora à rapina. Portanto, profetiza sobre a terra de Israel, e dize aos montes, e aos outeiros, aos rios e aos vales: Assim diz o SENHOR DEUS: Eis que falei no Meu zelo e no Meu furor, porque levastes sobre vós o opróbrio dos gentios. Portanto, assim diz o SENHOR DEUS: EU levantei a Minha mão, para que os gentios, que estão ao redor de vós, levem o seu opróbrio” (Ezequiel 36. 2-7).

Os 40 dias de jejum e oração por Israel se referem a tudo o que foi exposto até aqui, com início na viração de hoje (30.08) até 10 de outubro. Como descrevi anteriormente, o Espírito colocará no coração de cada um de nós o momento adequado de jejum, e todos os dias serão preenchidos. ELE só precisa de sua disposição! Levantemos um ‘cerco’ de bênçãos e proteção com nossas orações!

Clamemos para que YAH derrame Suas muitas misericórdias sobre Seu povo escolhido, lembrando de Suas eternas alianças com Avraham, Itschaq e Israel - “Moisés, porém, suplicou a YHVH ELOHAIV e disse: Ó YHVH, por que se acende o Teu furor contra o Teu povo, que tiraste de Mitzraim (terra do Egito) com grande força e com forte mão? Por que hão de falar os egípcios, dizendo: Para mal os tirou, para matá-los nos montes, e para destruí-los da face da Terra? Torna-Te do furor da Tua ira, e arrepende-Te deste mal contra o Teu povo. Lembra-Te de Avraham, de Itschaq e de Israel, os Teus servos, aos quais por Ti mesmo tens jurado, e lhes disseste: Multiplicarei a vossa descendência como as estrelas dos céus, e darei à vossa descendência toda esta terra, de que tenho falado, para que a possuam por herança eternamente... Assim tornou-se Moshe a YHVH, e disse: Ora, este povo cometeu grande pecado fazendo para si deuses de ouro. Agora, pois, perdoa o seu pecado, se não, risca-me, peço-Te, do Teu livro, que tens escrito” (Êxodo 32. 11-13,31,32);


Clamemos para que o SENHOR levante Seu povo e ajude-o a posicionar-se de acordo com o Seu perfeito querer. Que esse seja um período de real quebrantamento, contrição e o SENHOR seja aclamado, ardentemente desejado e Sua glória venha sobre o coração dos sedentos por ELE - “Levanta-te, resplandece, porque vem a tua Luz, e a glória do SENHOR vai nascendo sobre ti; porque eis que as trevas cobriram a Terra, e a escuridão os povos; mas sobre ti o SENHOR virá surgindo, e a Sua glória se verá sobre ti. E os gentios caminharão à tua luz, e os reis ao resplendor que te nasceu... Porque a nação e o reino que não te servirem perecerão; sim, essas nações serão” (Isaías 60. 1-3,12);

Proclamemos a grandeza de nosso SENHOR! ELE é Soberano, Absoluto, o Todo suficiente. Está assentado em Seu trono de glória, vitorioso. Nada abalará a inquestionável Verdade de Sua Palavra e a certeza de seu cumprimento cabal. E esse é o nosso descanso e gozo: ELE vive e reina para sempre e leva o conselho das nações a tornar-se nada, absolutamente nada!!! 

“Quem mediu na concha da Sua mão as águas, e tomou a medida dos céus aos palmos, e recolheu numa medida o pó da Terra e pesou os montes com peso e os outeiros em balanças? Quem guiou o Espírito do SENHOR, ou como Seu conselheiro O ensinou? Com Quem tomou ELE conselho, que LHE desse entendimento, e LHE ensinasse o caminho do juízo, e LHE ensinasse conhecimento, e LHE mostrasse o caminho do entendimento? Eis que as nações são consideradas por ELE como a gota de um balde, e como o pó miúdo das balanças; eis que ELE levanta as ilhas como a uma coisa pequeníssima. Nem todo o Líbano basta para o fogo, nem os seus animais bastam para holocaustos. Todas as nações são como nada perante ELE; ELE as considera menos do que nada e como uma coisa vã” (Isaías 40. 12-16);


Sejam completamente frustrados pelo SENHOR os planos das nações e de satanás. Sejam Seus planos perfeitamente estabelecidos, para a glória, a honra, o louvor a adoração e exaltação ao Seu Santo Nome: “Tema toda a terra ao SENHOR; temam-no todos os moradores do mundo. Porque falou, e foi feito; mandou, e logo apareceu. O SENHOR desfaz o conselho dos gentios, quebranta os intentos dos povos. O conselho do SENHOR permanece para sempre; os intentos do seu coração de geração em geração” (Salmo 33. 8-11);

Clamemos para que o SENHOR envie confusão ao acampamento inimigo, Que os terroristas comecem a brigar entre si, destruindo-se uns aos outros. “E, quando começaram a cantar e a dar louvores, o SENHOR pôs emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os das montanhas de Seir, que vieram contra Judá, e foram desbaratados. Porque os filhos de Amom e de Moabe se levantaram contra os moradores das montanhas de Seir, para os destruir e exterminar; e, acabando eles com os moradores de Seir, ajudaram uns aos outros a destruir-se. Nisso chegou Judá à atalaia do deserto; e olharam para a multidão, e eis que eram corpos mortos, que jaziam em terra, e nenhum escapou” (2 Crônicas 20. 22-24) – fiquem a postos os ‘atalaias do deserto’, clamando a ELOHEI Israel para que peleje a peleja de Seu povo escolhido, da ‘menina de Seu olho’;

Clamemos por bênçãos e por proteção divinas sendo derramadas nos moradores de Judéia e Samaria. Em sua maioria, são sionistas bíblicos, que crêem nas promessas de YAH e confiam no cumprimento da Sua Palavra. Estão lá para fazerem valer a Palavra de YHVH, convictos de Seu livramento e de Sua proteção. Na sexta-feira da semana passada, última sexta de ramadan, um grupo de judeus que se deslocava para um estudo da Torah em Esh Kódesh, em Samaria, foi abordado por uma turba violenta de 100 árabes (que vivem em Israel), armados com canos de metal e cacetetes. Foram salvos pelos soldados que faziam a patrulha. Louvado seja o SENHOR que as FDI estavam alertas! Esse é o tipo de situação que tem acontecido em Israel, nesses dias (fim de ramadan e dias que antecedem a votação na ONU). O SENHOR lhes prometeu que estariam de volta nas colinas de Samaria, nas herdades de Yehudah, que plantariam vinhas e comeriam e beberiam seus frutos. Plantariam não mais para seus inimigos:

“Há muito que o SENHOR me apareceu, dizendo: Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí. Ainda te edificarei, e serás edificada, ó virgem de Israel! Ainda serás adornada com os teus tamboris, e sairás nas danças dos que se alegram. Ainda plantarás vinhas nos montes de Samaria; os plantadores as plantarão e comerão como coisas comuns. Porque haverá um dia em que gritarão os vigias sobre o monte de Efraim: Levantai-vos, e subamos a Sião, ao SENHOR ELOHEINU. Porque assim diz o SENHOR: Cantai sobre Jacó com alegria, e exultai por causa do chefe das nações; proclamai, cantai louvores, e dizei: Salva, SENHOR, ao Teu povo, o restante de Israel” (Jeremias 31. 3-7)

“E edificarão casas, e as habitarão; e plantarão vinhas, e comerão o seu fruto. Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; porque os dias do Meu povo serão como os dias da árvore, e os Meus eleitos gozarão das obras das suas mãos. Não trabalharão debalde, nem terão filhos para a perturbação; porque são a posteridade bendita do SENHOR, e os seus descendentes estarão com eles. E será que antes que clamem EU responderei; estando eles ainda falando, EU os ouvirei”  (Isaías 65. 21-24);

Clamemos para que o SENHOR, DEUS Todo Poderoso disperse Seus inimigos, os terroristas de satanás do regime islâmico, para que o Seu Nome seja glorificado no meio da Terra: “Faze aos seus nobres como a Orebe, e como a Zeebe; e a todos os seus príncipes, como a Zebá e como a Zalmuna, que disseram: Tomemos para nós as casas de DEUS em possessão. DEUS meu, faze-os como um tufão, como a aresta diante do vento. Como o fogo que queima um bosque, e como a chama que incendeia as brenhas, assim os persegue com a Tua tempestade, e os assombra com o Teu torvelinho. Encham-se de vergonha as suas faces, para que busquem o Teu nome, SENHOR. Confundam-se e assombrem-se perpetuamente; envergonhem-se, e pereçam, para que saibam que TU, a Quem só pertence o Nome de SENHOR, és o Altíssimo sobre toda a Terra” (Salmo 83. 11-18);

Clamemos para que o SENHOR não nos deixe calar diante das mentiras e injustiças que nossos governantes estão fazendo com Israel. Não tomemos parte em suas más políticas externas, mas sejamos vozes proféticas em nossos lares, escolas, congregações, locais de trabalho, para declarar a verdade de YHVH, declarar a Palavra profética. Que o SENHOR nos levante como atalaias profetas, que denunciam a mentira com a verdade e alertam seus governantes para não serem aqueles que votem na divisão da terra de YHVH: “Por que se amotinam os gentios, e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da Tterra se levantam e os governos consultam juntamente contra o SENHOR e contra o Seu Ungido, dizendo: ‘Rompamos as Suas ataduras, e sacudamos de nós as Suas cordas’. Aquele que habita nos céus Se rirá; o Senhor zombará deles. Então lhes falará na Sua ira, e no Seu furor os turbará. EU, porém, ungi o Meu Rei sobre o Meu Santo monte de Sião. Proclamarei o decreto: o SENHOR Me disse: TU és Meu Filho, EU hoje Te gerei. Pede-Me, e EU Te darei os gentios por herança, e os fins da Terra por Tua possessão. TU os esmigalharás com uma vara de ferro; TU os despedaçarás como a um vaso de oleiro. Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da Terra.

Servi ao SENHOR com temor, e alegrai-vos com tremor. Beijai o Filho, para que Se não ire, e pereçais no caminho, quando em breve se acender a Sua ira; bem-aventurados todos aqueles que nELE confiam” (Salmo 2. 1-12);

Que o SENHOR seja uma cerca viva de fogo ao redor de Jerusalém – “Pois EU, diz o SENHOR, serei para ela um muro de fogo em redor, e para glória estarei no meio dela” (Zacarias 2. 5);

Sejam fortalecidos e cheios da sabedoria que vem do Alto, do PAI das luzes, os líderes em Israel, na liderança política, militar, civil, especialmente Netanyahu. Que sua boca seja cheia da Palavra que procede da boca de DEUS; que seu coração arda com aquilo que está no coração de ELOHEI Israel; que seus olhos, como os de águia, possam enxergar os perigos bem distantes; que sua coragem seja aquela derramada no coração de David ao enfrentar o urso, o leão e o incircunciso filisteu que desafiou os exércitos de YAHVEH (1 Samuel 17);

Louvado seja o SENHOR que o ‘movimento ‘tendas’, de justiça social em Israel, que têm sido motivado pelos partidos de esquerda em Israel para verem Netanyahu cair está morrendo’, como declarou o jornal Arutz Sheva de 29.08. Mas, clamemos pela verdadeira justiça social, aquela que aponta para a perfeita vontade de YAH. Que haja justa distribuição de renda em Israel. Sejam os líderes, juízes, capazes de julgar de acordo com a justiça que procede de YHVH e não seus próprios interesses:

“Quando entre ti houver algum pobre, de teus irmãos, em alguma das tuas portas, na terra que o SENHOR teu DEUS te dá, não endurecerás o teu coração, nem fecharás a tua mão a teu irmão que for pobre; antes lhe abrirás de todo a tua mão, e livremente lhe emprestarás o que lhe falta, quanto baste para a sua necessidade. Guarda-te, que não haja palavra perversa no teu coração, dizendo: Vai-se aproximando o sétimo ano, o ano da remissão; e que o teu olho seja maligno para com teu irmão pobre, e não lhe dês nada; e que ele clame contra ti ao SENHOR, e que haja em ti pecado.

Livremente lhe darás, e que o teu coração não seja maligno, quando lhe deres; pois por esta causa te abençoará o SENHOR teu DEUS em toda a tua obra, e em tudo o que puseres a tua mão. Pois nunca deixará de haver pobre na Terra; pelo que te ordeno, dizendo: Livremente abrirás a tua mão para o teu irmão, para o teu necessitado, e para o teu pobre na tua terra” (Deuteronômio 15. 7-11)

“E te restituirei os teus juízes, como foram dantes; e os teus conselheiros, como antigamente; e então te chamarão cidade de justiça, cidade fiel. Sião será remida com juízo, e os que voltam para ela com justiça” (Isaías 1. 26,27);

Clamemos pela reunião da ONU, para que seja uma verdadeira Bavel, quando o SENHOR confundiu as línguas; que sejam dispersos, pela falta de entendimento, de compreensão das idéias e desejos contrários à vontade do PAI – “Despedaça, Senhor, e divide as suas línguas, pois tenho visto violência e contenda na cidade. De dia e de noite a cercam sobre os seus muros; iniqüidade e malícia estão no meio dela. Maldade há dentro dela; astúcia e engano não se apartam das suas ruas” (Salmo 55. 9-11);

Clamemos pela vida do embaixador israelense na ONU, Ron Prosor, para que, ao abrir da sua boca, o Espírito de YAH fale por ele; que as pessoas calem-se para ouvi-lo e que seu discurso seja convincente, porque vem do Alto. Seja a verdade ouvida naquele lugar e que não haja espaço para a mentira, para a artimanha, os conchavos, em Nome do SENHOR JESUS. Que o abrir da sua boca seja revelador, possa, pela ação do Espírito Santo, fazer com que o véu da cegueira espiritual que tem cegado o entendimento dos líderes das nações, seja arrancado de seus corações e percebam que estão se levantando contra DEUS, o Todo Poderoso. Seja o seu falar sim sim e não não; não use ele de subterfúgios e discursos pomposos, mas a verdade clara, em Nome de YEHOSHUA HaMASHIACH:

“Com justiça serás estabelecida; estarás longe da opressão, porque já não temerás; e também do terror, porque não chegará a ti. Eis que seguramente poderão vir a juntar-se contra ti, mas não será por Mim; quem se ajuntar contra ti cairá por causa de ti. Eis que EU criei o ferreiro, que assopra as brasas no fogo, e que produz a ferramenta para a sua obra; também criei o assolador, para destruir. Toda a ferramenta preparada contra ti não prosperará, e toda a língua que se levantar contra ti em juízo tu a condenarás; esta é a herança dos servos do SENHOR, e a sua justiça que de Mim procede, diz o SENHOR” (Isaías 54. 14-17);

Mesmo EUA vetando a decisão do Conselho de Segurança da ONU (e com obama tudo é possível, ainda que tenha afirmado, por inúmeras vezes, de que vetará a decisão pela partilha), ainda restará a votação da Assembléia Geral que, mesmo sem qualquer valia, fortalecerá a posição de Israel como o obstáculo para a paz mundial. São tempos difíceis, são dias de decisão e dias em que a ira do SENHOR está pesando sobre Sua igreja e sobre as nações. Clamemos por nossas nações, para que entendam que DEUS está por Israel e ai daquele que se levantar contra o conselho do Poderoso de Israel (Joel 3. 1,2). “Porque bem conhecemos Aquele que disse: Minha é a vingança, EU darei a recompensa, diz YHVH. E outra vez: ADONAI julgará o Seu povo. Horrenda coisa é cair nas mãos de EL CHAI (DEUS Vivo)” (Hebreus 10. 30,31);

Clamemos por todo Israel, para que saiba responder e comportar-se de modo digno de seu chamado no MASHIACH de Israel, para que o Nome dELE seja glorificado. Que saiba responder diplomaticamente, mas também na área de segurança, de modo digno do SENHOR: “Assim como bem sabeis de que modo vos exortávamos e consolávamos, a cada um de vós, como o pai a seus filhos; para que vos conduzísseis dignamente para com DEUS, que vos chama para o Seu reino e glória” (1 Tessalonicenses 2. 11,12);

Decretemos a verdade incontestável da Palavra de YAH, que estabeleceu, porque assim o quis, uma aliança eterna, irrevogável, com a Casa de Israel: “Assim diz o SENHOR, que dá o sol para luz do dia, e as ordenanças da lua e das estrelas para luz da noite, que agita o mar, bramando as suas ondas; o SENHOR dos Exércitos é o Seu Nome. Se falharem estas ordenanças de diante de Mim, diz o SENHOR, deixará também a descendência de Israel de ser uma nação diante de Mim para sempre. Assim disse o SENHOR: Se puderem ser medidos os céus lá em cima, e sondados os fundamentos da Terra cá em baixo, também EU rejeitarei toda a descendência de Israel, por tudo quanto fizeram, diz o SENHOR. Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que esta cidade será reedificada para o SENHOR, desde a torre de Hanameel até a porta da esquina” (Jeremias 31. 34-38);

A certeza absoluta que temos é que Israel vive e viverá, prevalecerá, porque ELE vive! HalleluYAH! “Eis que EU os congregarei de todas as terras, para onde os tenho lançado na Minha ira, e no Meu furor, e na Minha grande indignação; e os tornarei a trazer a este lugar, e farei que habitem nele seguramente. E eles serão o Meu povo, e EU lhes serei o seu DEUS; e lhes darei um mesmo coração, e um só caminho, para que Me temam todos os dias, para seu bem, e o bem de seus filhos, depois deles. E farei com eles uma aliança eterna de não Me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o Meu temor nos seus corações, para que nunca se apartem de Mim. E alegrar-Me-ei deles, fazendo-lhes bem; e plantá-los-ei nesta terra firmemente, com todo o Meu coração e com toda a Minha alma. Porque assim diz o SENHOR: Como EU trouxe sobre este povo todo este grande mal, assim EU trarei sobre ele todo o bem que lhes tenho declarado” (Jeremias 32. 37-42);

Clamemos para que Israel busque no SENHOR seu DEUS, e espere nELE e somente dependa dELE – “Não há rei que se salve com a grandeza dum exército, nem o homem valente se livra pela muita força. O cavalo é falaz para a segurança; não livra ninguém com a sua grande força. “Eis que os olhos do SENHOR estão sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua misericórdia; para lhes livrar as almas da morte, e para os conservar vivos na fome. A nossa alma espera no SENHOR; ELE é o nosso auxílio e o nosso escudo. Pois nELE se alegra o nosso coração; porquanto temos confiado no Seu Santo Nome. Seja a Tua misericórdia, SENHOR, sobre nós, como em Tti esperamos” (Salmo 33. 16-22);

Clamemos para que o Espírito de YAH, o Espírito de graça e súplicas seja derramado sobre cada um em Israel para que vejam Aquele a Quem traspassaram e cheguem ao lugar de arrependimento genuíno, e reconheçam ao SENHOR como o MESSIAS de Israel, como seu Salvador e SENHOR, em Nome de YEHOSHUA HaMASHIACH – “E acontecerá naquele dia, que procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém; mas sobre a casa de David, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para Mim, a Quem traspassaram; e pranteá-lO-ão sobre ELE, como quem pranteia pelo Filho Unigênito; e chorarão amargamente por ELE, como se chora amargamente pelo Primogênito” (Zacarias 12. 9,10);

Clamemos por uma colheita sobrenaturalmente multiplicada no mundo árabe muçulmano – “Digo, pois, que JESUS CRISTO foi ministro da circuncisão, por causa da verdade de ELOHIM, para que confirmasse as promessas feitas aos pais; e para que os gentios glorifiquem a ELOHIM pela Sua misericórdia, como está escrito: Portanto eu Te louvarei entre os gentios, e cantarei ao Teu Nome. E outra vez diz: Alegrai-vos, gentios, com o Seu povo. E outra vez: Louvai ao SENHOR, todos os gentios, e celebrai-O todos os povos. Outra vez diz Isaías: Uma Raiz em Jessé haverá, e nAquele que se levantar para reger os gentios, os gentios esperarão” (Romanos 15. 8-12);

Clamemos para que o Nome de YHVH seja glorificado em toda a Terra através da restauração da terra e do povo de Israel, como afirma o SENHOR em Sua Palavra: “SENHOR, a Tua mão está exaltada, mas nem por isso a vêem; vê-la-ão, porém, e confundir-se-ão por causa do zelo que tens do Teu povo; e o fogo consumirá os Teus adversários. SENHOR, TU nos darás a paz, porque TU és o que fizeste em nós todas as nossas obras. Ó SENHOR ELOHEINU, já outros senhores têm tido domínio sobre nós; porém, por Ti só, nos lembramos de Teu Nome... TU, SENHOR, aumentaste a esta nação, TU aumentaste a esta nação, fizeste-Te glorioso; alargaste todos os confins da Terra” (Isaías 26. 11,15);


Louvado, engrandecido, exaltado seja o SENHOR por Seu poder em salvar Seu povo e dar vitória a ele: “Louvai ao SENHOR. Cantai ao SENHOR um cântico novo, e o Seu louvor na congregação dos santos. Alegre-se Israel nAquele que o fez, regozijem-se os filhos de Sião no seu REI. Louvem o Seu Nome com danças; cantem-LHE o Seu louvor com tamborim e harpa. Porque o SENHOR Se agrada do Seu povo; ornará os mansos com a salvação. Exultem os santos na glória; alegrem-se nas suas camas. Estejam na sua garganta os altos louvores de ELOHIM, e espada de dois fios nas suas mãos, para tomarem vingança dos gentios, e darem repreensões aos povos; para prenderem os seus reis com cadeias, e os seus nobres com grilhões de ferro; para fazerem neles o juízo escrito; esta será a glória de todos os santos. Louvai ao SENHOR” (Salmo 149. 1-9).

“Levanta em redor os teus olhos, e vê; todos estes já se ajuntaram, e vêm a ti; teus filhos virão de longe, e tuas filhas serão criadas ao teu lado. Então o verás, e serás iluminado, e o teu coração estremecerá e se alargará; porque a abundância do mar se tornará a ti, e as riquezas dos gentios virão a ti. A multidão de camelos te cobrirá, os dromedários de Midiã e Efá; todos virão de Sabá; ouro e incenso trarão, e publicarão os louvores do SENHOR.

Todas as ovelhas de Quedar se congregarão a ti; os carneiros de Nebaiote te servirão; com agrado subirão ao Meu altar, e EU glorificarei a casa da Minha glória. Quem são estes que vêm voando como nuvens, e como pombas às suas janelas? Certamente as ilhas Me aguardarão, e primeiro os navios de Társis, para trazer teus filhos de longe, e com eles a sua prata e o seu ouro, para o nome do SENHOR teu DEUS, e para o Santo de Israel, porquanto ELE te glorificou. E os filhos dos estrangeiros edificarão os teus muros, e os seus reis te servirão; porque no Meu furor te feri, mas na Minha benignidade tive misericórdia de ti. E as tuas portas estarão abertas de contínuo, nem de dia nem de noite se fecharão; para que tragam a ti as riquezas dos gentios, e, conduzidos com elas, os seus reis” (Isaías 60. 4-11).


Aliyah – com os abalos econômicos e as instabilidades políticas nas nações (julgamento de YAH), o anti-semitismo crescente (as pessoas têm a necessidade incrível de encontrar um ‘bode expiatório’ e nunca responsabilizar-se por suas doenças e mazelas... é a síndrome do Éden, onde cada um culpa o outro por suas frustrações e erros...), os judeus dispersos pelo cativeiro das nações se sentem ameaçados e estimulados a procurar condições melhores, principalmente em Israel. Há muitas famílias judias estão investindo em Israel, comprando imóveis, garantindo um local de refúgio ou porto seguro.

O SENHOR está usando essa situação para desbancar mamon, o principal espírito que tem aprisionado multidões de judeus. Clamemos para que os judeus sejam compungidos a regressarem a Israel. Que esse período de turbulência política ali em Israel não seja empecilho, mas a motivação para o regresso de judeus, desejosos de defender sua terra, seu povo e fazer parte do que YHVH ELOHEI Israel tem para Israel nesses últimos dias.

O líder do movimento islâmico israelense disse que Israel teme o novo regime no Egito, porque é a chave para a liberação de Jerusalém, uma vez que influenciado pela radical irmandade muçulmana... (sejam essas palavras como sementes infrutíferas, que não dão fruto algum, mas se secam ao cair no solo, em Nome de JESUS). Acrescentou dizendo que os parlamentares árabes do Knesset não devem lealdade às leis judaicas que ferem sua lealdade nacional ou religiosa, declarando que eles têm o pleno direito de lançar mão de quaisquer meios para defender a posse da terra reivindicada pela autoridade árabe. Tais atitudes não contradizem a lei internacional porque, de acordo com ele e seu ponto de vista, as terras são ‘ocupadas por invasores israelenses’ – que todo o achismo, toda a mentira que tenta ser provada como verdade caia por terra, em Nome do SENHOR JESUS. Ele acrescentou que não há diferença de alvo entre civis e soldados judeus, porque cada judeu é um reservista... matar um civil é como estar matando um soldado ‘na reserva’. Que pensamento desprezível desse filho de belial. Que suas palavras só causem mal aos seus pares, em Nome do SENHOR JESUS e não cumpram o propósito para a destruição, mas para a vida e vida abundante para os judeus.


Ao mesmo tempo, clamemos para que sobre cada judeu recaia o espírito de guerreiro sionista. Sejam eles como o DEUS de Avraham, Itschaq e Israel. “E o SENHOR salvará primeiramente as tendas de Judá, para que a glória da casa de David e a glória dos habitantes de Jerusalém não seja exaltada sobre Judá. Naquele dia o SENHOR protegerá os habitantes de Jerusalém; e o mais fraco dentre eles naquele dia será como David, e a casa de David será como DEUS, como o Anjo do SENHOR diante deles. E acontecerá naquele dia, que procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém” (Zacarias 12. 7-9)

Depois de 400 anos no cativeiro egípcio, o novo tempo foi estabelecido e o povo, pela mão forte e pelo braço estendido do SENHOR, foi resgatado da escravidão. Depois de 40 anos em que o SENHOR provou o que havia nos seus corações (“...te lembrarás de todo o caminho, pelo qual o SENHOR ELOHEICHA te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, e te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os Seus mandamentos, ou não. E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram; para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem” - Deuteronômio 8. 2,3), veio a conquista da terra prometida, rumo à Israel Sh’lemah!

Clamemos para que, ao fim desse período de 40 dias de jejum e quebrantamento (expressão de provação, julgamento, juízo), que o novo tome o lugar do velho, o gozo assuma o lugar do pranto e quebrantamento, avançando para a conquista territorial (espiritual e física) de cada indivíduo em Israel e do território de Israel, para a glória, a honra, o louvor e a adoração do SENHOR ELOHEI Israel. Que YHVH lhes abençoe e lhes guarde; que YHVH faça resplandecer Seu rosto sobre si e tenha misericórdia de si. Que o SENHOR, o Poderoso de Israel, levante Seu rosto maravilhoso sobre si e lhe dê shalom!

Com amor e gratidão no Mashiach de Israel,

Marciah Malkah


P.S. Breve e simples definição de:

- misericórdia – não receber aquilo que merecemos!

- graça – receber aquilo que não merecemos!

Informa Imprensa Sim Israel

01 a 15.09.2011

#Compartilhar

Comentários   

 
0 #2 website traffic tool 20-07-2017 16:46
How to get traffic to your website [youtube]https://www.youtube.com/watch?v=86COMT8JE_c[/youtube]
this tool is amazing
Citar
 
 
0 #1 Anemonalove 07-07-2017 17:09
Hello guys! Who wants to see me live? I'm live at
HotBabesCams.co m, we can chat, you can watch me live for free, my
nickname is Anemonalove , here is my photo:

https://3.bp.blogspot.com/-u5pGYuGNsSo/WVixiO8RBUI/AAAAAAAAAFA/JWa2LHHFI2AkHParQa3fwwHhVijolmq8QCLcBGAs/s1600/hottest%2Bwebcam%2Bgirl%2B-%2BAnemonalove.jpg
Citar
 

Adicionar comentário

Se o seu comentário for considerado de forma ofensiva ou fora da política do website ele irá ser excluído.


Código de segurança
Atualizar