População Judaica Mundial atinge 14,3 milhões de pessoas

judeusSergio Della Pergola, professor emérito da Universidade Hebraica de Jerusalém e o principal especialista em demografia judaica, publicou esta semana um texto no site Ynet News, em que aborda cenários para o povo judeu no ano 2050.

De acordo com ele, há em 2015 quase 14,3 milhões de judeus, segundo definição semelhante à aceita pelo Supremo Tribunal de Israel. "Ser judeu hoje significa, antes de tudo, a vontade de expressar uma autoidentificação com o povo judeu, abrangendo desde os muito religiosos até os antirreligiosos", escreve o demógrafo.

Cerca de 6,3 milhões de judeus vivem no Estado de Israel (com mais 360 mil parentes que não estão registrados como judeus no Ministério do Interior) e 8 milhões vivem na diáspora, dos quais 5,7 milhões nos Estados Unidos e 2,3 milhões em todos os outros países (principalmente França, Canadá, Grã-Bretanha, Rússia, Argentina, Alemanha, Austrália e Brasil).

Della Pergola traça dois cenários para 2050: otimista e pessimista. No primeiro, ele prevê uma população judaica de 20 milhões; no segundo, 14 milhões. Principais fatores considerados: "Será que a paz e a segurança levarão a um boom populacional ou a incerteza e o conflito irão deprimir os números demográficos?"

Cenário otimista: população judaica cresce

Aumenta a atração de Israel e cresce a Aliá [imigração] em números maiores do que nos últimos anos, conjugada a uma queda moderada no número de emigrantes de Israel para outros países.

Na diáspora, o número total de judeus será estável ou experimentará queda moderada, como resultado da melhora da autoconfiança, a queda na assimilação, a crescente disposição para declarar abertamente a identidade judaica, além da união de "tribos perdidas", incluindo o sefaraditas Bnei Anussim da era da Inquisição.

Cenário pessimista: taxa de natalidade cai, emigração de Israel cresce

Não há segurança em Israel, e o conflito é violento; há erosão na economia, investimentos, emprego e renda. Número de judeus chega a 9 milhões, em 2050.

Os judeus da diáspora também são afetados por más condições de segurança, aumentos da assimilação e do antissemitismo, taxa de natalidade baixa e níveis recordes de envelhecimento.  Número de judeus cai para 6,5 milhões, em 2030, e 5 milhões, em 2050.

Fator importante: Haredim serão 1/3 da população israelense

Diferentes setores da população israelense crescem em ritmos diferentes, e a composição de toda a sociedade muda em conformidade.

Em Israel, a população ultraortodoxa deve crescer gradualmente - até chegar a um terço de todos os judeus. Da mesma forma, embora em nível inferior, o percentual de árabes israelenses.

"Estes números representam um grande desafio em termos de infraestrutura e qualidade ambiental", afirma Della Pergolla. "E sejam quem forem os dirigentes do país, devem se preparar, pois 2050 um dia chegará".

Fonte: Ynetnews

#Compartilhar